More

Blog

Helena’s Israel

Tags: Jewish Identity, Zionism, Memory

By Helena Garson

Helena found her way to Israel Forever from Brazil, as a part of the Aardvark Internship program. She shared her personal Israel in her native Portuguese, which we wanted to make sure that our English readers would be able to understand. The range of Jewish experience in the world is immense. The goal of multilingual material is to have these reflections on Israel in Jewish identity reach a wider audience. Our people may be separated by distance and language but we are united in our heritage!

Helena Garson joined the Israel Forever team as a Marketing and Communications intern for our 2018-2019 programming year.

Read the Portuguese article

HELENA'S ISRAEL

I was separated from religion by the time I was twenty, although the customs of my home were always very traditional. I knew that I could not eat pork, that I had to go to some Jewish festivities and that the Jewish people kept the Shabbat - but I did not know why. I never studied in a Jewish school, the synagogue I attended had only older people and I never had motivation to discover more. I knew I was Jewish, but I did not know what it was to be a Jew.

MY STORY

My first experience in Israel was with Taglit, but my second trip to Israel, through a program in which my brother had participated (he encouraged my sister and me to also participate), opened my eyes to understand in depth what Judaism could mean to me and how it could help make me a better person. I spent two months in a midrasha, an intensive Torah-learning program. Two months, time enough to find the answers to the questions I had carried with me for a long time. And I did learn but I still had the same question: what is it to be a Jew? I realized it is not simply to have a beard, peyot, and wear a kippa. It is not how many times a day one prays or how one practices.

To be a Jew is to fight for what we believe and stay firm in the face of all enemies. It is understanding how to use the devices we have in this world to lift ourselves up, to be better, grateful, and therefore happier.

In addition to many "halachot" (Jewish laws), Judaism is a manual of behaviors and ideologies that brings us much happiness and understanding of why we are here.

And for anyone who still has their reservations about religion (as I still do), I recommend giving yourself the opportunity to experience this universe! Not necessarily being religious, but having a connection, involvement and understanding the purpose of being a Jew.

My teshuvah (return to religion) was in São Paulo. I had a normal life, I finished college, I worked in two excellent companies, I met different people, went different places, I had ups and downs, but all this was accompanied by my connection with Gd, which made all challenges much easier to face and all achievements even more valuable and enjoyable.

Today I am in Israel, trying to connect even more, culturally and spiritually. The important thing is to move on, to fall, but then rise again, and to remember that everything happens for our good!

WHY ISRAEL?

The media shows a distorted image of the Jewish State but Israel is not a place where they only have attacks, wars and hatred. Eretz Yisrael is the right place for anyone who wants witness a developed country, close to religion and experience an incomparable and diverse culture that embraces individuality, democracy, human rights and equality for all of its citizens, Jews and non-Jews - no matter how many lies the world tries to spread.

The point that most strikes me, however ironic it may seem, is security.

Unlike at home, here in Israel I feel safe, knowing that something bad will not happen to me the moment I am out on the street. For those who have come from a place where the whole time you need to look sideways, walk with your backpack in front of the body when you are in a crowded place, or walk faster when it is getting dark, you will understand what I am saying. In Israel, there is no need to protect your house with huge gates, ask the children to stay indoors because the street is dangerous or to be concerned about leaving the house after dark.

Beyond this physical element of safety, the holiness of the place pervades every element of life in this land. Not only are all three major religions practiced freely, but also other religions, whose members are persecuted for their faith elsewhere in the world, such as the Bahai and Druze.

As a Jew, in Jerusalem it is easier for me to feel free to ask, celebrate and practice as a Jew - something Jews in other places in the world cannot say, no matter how much they might feel a welcome member of the society in which they live. In Israel, we have the opportunity to enjoy a vibrant communal life knowing that, even if we may practice or believe differently one from another, everyone shares the same vibration of Israeli joy, joy of life, concern for one another, and appreciation of this incredible land, society and culture.

JERUSALEM

Israel has shown me, specifically speaking about Jerusalem, that here I can find a purpose in every little thing I am going to do. It was here, for the first time, that my words to Gd were heard. Not because He simply “did not listen”, but because before Jerusalem I did not speak to Him.

I learned through my studies that no matter what the level of knowledge or emunah, faith, there are many in your community who can also be your family and that can instruct you to be a better person with others and with yourself.

Being closer to religion helped me to channel that it is me who defines whether my life will be one of suffering or of pleasure. Now, that I knew that all of this also depends on my trust in Gd and especially on my understanding of who He is, I became more and more willing to make "Judaism" my routine. I became that person who does not eat pork, does the Jewish festivities and keeps the Shabbat (among other things traditions and guidelines) out of understanding WHY I do these things.

I met very important people who helped me and still help me through this process. I began to receive each challenge positively, the same way I celebrate each achievement, because in the end we may not understand, but Gd knows what is best for us.

JEWISH MOTIVATION

I feel I belong to the Jewish community, but I feel that it is much more difficult to feel this in Brazil. In any case community was never my motivation to be closer to Judaism. What motivated me to be more present were the ideologies, behaviors, history and customs of religion. People are important in this process, but I think if it does not depend on your will, no one will do it for you!

Discovering the Israel Forever Foundation was incredible. As much as there are various activities in the community, it is difficult to see an institution that focuses on the concept of what it is to be a Jew. Not only that, but to encourage with different proposals, through ideas that engage the young person to want to be part of this!

I was very encouraged to know that there are people fighting for Israel and reinforcing the love we should have for Israel, for our history, for culture and for religion. There is a world out there, with options for all kinds of tastes. For me, it is very important to acquire knowledge about the country in a nice way to learn and I hope many other Jews scattered around the world discover Israel Forever too!


Read the English article

Helena Garson fez parte do time da Israel Forever, trabalhando como estagiária em Marketing e Comunicação durante 2018 e 2019. Helena nasceu no Brasil e escreveu sobre sua visão de Israel, no qual posteriormente também traduziu para o Inglês. O objetivo do conteúdo em diferentes línguas é atingir um público mais amplo. Nosso povo pode estar separado pela distância e pela linguagem, mas continuamos unidos em nossa herança!

Leia o artigo em Inglês Leia o artigo em Português Tradução automática para outra língua

ISRAEL DE HELENA

Até meus 20 anos fui afastada da religião, porque os costumes de casa sempre foram tradicionais. Eu sabia que não podia comer carne de porco, que tinha que comemorar algumas festividades judaicas e que o povo judeu guardava o Shabat, mas eu não sabia por quê. Eu nunca estudei em escola judaica, a sinagoga da qual eu ia, em sua maioria, era frequentada por pessoas mais velhas, e eu nunca tive uma motivação que pudesse me instigar a querer saber mais. Eu sabia que era judia, mas não sabia o que era ser um judeu.

MINHA HISTORIA

Minha primeira experiência em Israel foi com o Taglit, mas a minha segunda viagem, através de um programa que meu irmão havia participado, e que motivou eu e minha irmã a conhecermos também, abriu meus olhos para entender em profundidade o que seria o judaísmo e como, através dele, eu poderia ser uma pessoa melhor nessa vida. Passei dois meses em uma midrashá, um programa intensivo de aprendizado de Torá e conhecimento sobre a cultura judaica - tempo suficiente para encontrar as respostas para as perguntas que eu tinha há muito tempo.

Estando agora em contato direto com a fonte, entendi o verdadeiro significado de ser judeu. Percebi que ia além de usar uma barba, peyot e kipá, ou de rezar três vezes ao dia, por exemplo.

Ser judeu é lutar pelo que acreditamos e permanecer firme diante de todos os inimigos. É entender como usar os artifícios que temos neste mundo para nos erguermos, para sermos melhores, gratos e, portanto, felizes.

Porque, além de muitas “halachot” (leis judaicas), o judaísmo é um manual de comportamentos e ideologias que nos traz muita felicidade e entendimento do por quê estamos aqui.

E para qualquer pessoa que ainda tem seus preconceitos com a religião, assim como eu já tive, tente ao menos dar-se a oportunidade de experienciar esse universo, de conectar-se, envolver-se e entender o propósito de ser um judeu.

Após a viagem, minha teshuvá (aproximação) continuou em São Paulo. Tive uma vida normal (do contrário que eu pensaria), terminei minha faculdade, trabalhei em duas empresas ótimas, conheci diferentes pessoas, diferentes lugares, passei por muitos apertos, bem como alegrias, mas tudo isso foi acompanhado da minha conexão com D’us, o que tornou todos os desafios muito mais fáceis de enfrentar e todas as conquistas ainda mais valiosas e prazerosas!

Hoje estou em Israel, procurando me conectar ainda mais, seja culturalmente ou espiritualmente. O importante é seguir em frente, cair, mas levantar, e saber que o tempo inteiro tudo acontece para nosso bem!

POR QUE ISRAEL?

Do contrário que a mídia mostra, Israel não é um lugar onde só há atentados, guerras e ódio. Eretz Israel é o lugar certo para quem quer viver em um país desenvolvido, próximo da religião e vivenciar uma cultura incomparável e diversificada, que abrange individualidade, democracia, direitos humanos e igualdade para todos os seus cidadãos - não importa quantas mentiras o mundo tente espalhar.

Aqui me sinto segura, sabendo que dificilmente acontecerá algo ruim comigo no momento em que eu estiver na rua. Para quem veio de um lugar onde o tempo inteiro você precisa olhar para os lados, andar com a mochila na frente do corpo quando está em um local tumultuado, ou acelerar o passo quando está escurecendo, entende o que estou dizendo. Não existe “isolar” sua casa com portões enormes, pedir para as crianças ficarem dentro de casa porque a rua é perigosa ou ficar em dúvida se vai sair 20h de casa porque já está tarde.

Além deste aspecto físico de segurança, a santidade do lugar permeia todos os elementos da vida nesta terra. Não apenas as três principais religiões são praticadas livremente, mas também aquelas que são perseguidas por sua fé em outras partes do mundo, como os bahai ou drusos. Como judia, no entanto, sei que em Jerusalém é mais fácil me sentir livre para celebrar, praticar e viver o judaísmo.

Em Israel, temos a oportunidade de desfrutar de uma vida comunitária intensa, sabendo que, mesmo que possamos praticar ou acreditar de forma diferente uns dos outros, todos compartilham da mesma vibração israelense, da preocupação uns com os outros e apreço por isso.

JERUSALEM

Israel me mostrou, especificamente falando sobre Jerusalém, que aqui eu consigo encontrar um propósito em cada pequena coisa que vou fazer. Por mais que houve muito sofrimento com o povo judeu, ainda seguimos firmes com nossa crença e ideologias.

Foi aqui que, pela primeira vez, senti que minhas palavras para D’us eram ouvidas. Não porque Ele simplesmente “não ouvia”, mas porque eu não falava com Ele. Aprendi na Midrashá que não importa o seu nível de conhecimento ou de emuná (fé). Há muitos membros dela que também podem ser sua família e que podem instruí-lo a ser uma pessoa melhor com os outros e com você mesmo.

Estar mais próxima da religião me ajudou a canalizar que somos nós que definimos se nossa vida será um sofrimento ou um prazer. Agora que eu sabia que tudo isso também dependia da minha confiança em D'us e, especialmente, em minha compreensão de quem Ele é, me tornei cada vez mais motivada a fazer da minha rotina um "judaísmo".

Acabei virando aquela pessoa que não come carne de porco, que comemora as festividades judaicas e guarda o Shabat (entre outras coisas), mas que agora sabia o que e por quê estava fazendo isso. Conheci pessoas muito importantes que me ajudaram e ainda me ajudam nesse processo, além de meus pais, que sempre foram um grande suporte em todas as decisões que tomei. Comecei a enfrentar cada desafio do mesmo modo que costumo celebrar por uma conquista, porque no final podemos não entender, mas D'us sabe o que é melhor para nós.

MOTIVACAO JUDAICA

Com toda certeza me sinto pertencente da comunidade judaica, porém é mais difícil sentir isso no Brasil. De qualquer forma, isso nunca foi um motivo para eu me afastar após ter me aproximado, visto que o que despertou o meu desejo de estar mais conectada eram as ideologias, comportamentos, história e costumes da religião. As pessoas são importantes, mas acho que se não depender da sua vontade, ninguém fará isso por você!

Achei uma iniciativa incrível e me perguntei porque eu não conhecia essa empresa! Por mais que existam várias atividades na comunidade, é difícil você ver uma instituição que foque no conceito de “o que é ser um judeu”. Não só isso, mas que incentive com propostas diferentes, através de ideias que engajem o jovem a querer fazer parte disso!

Me animou muito de saber que tem pessoas lutando por isso e defendendo o amor que devemos ter por Israel, por nossa história, cultura, pela religião e por quem somos. Há um mundo aí dentro, com opções para todos os gostos. Pra mim, é muito importante adquirir conhecimento em relação ao País de uma forma gostosa de aprender!

About the Author

Helena Garson
Helena Garson was born in Brazil, but is living in Israel for a year, where she is taking the time to grow more in religion, as well as interning with the Israel Forever Foundation for a professional experience in a different environment. She graduated in Advertising and decided to continue her studies in the fields of Marketing and Communication, having already worked four years in this area. Helena strives to continuously improve her personal and professional knowledge, deepening her understanding in the areas that interest her most: Judaism, her profession and art.

➥ Back to TheBlog@IsraelForever ➥

Tags: Jewish Identity, Zionism, Memory

Leave a Comment on Israel Forever

Show Formatting Help

You Type You See
*italics* italics
**bold** bold
+ item 1
+ item 2
+ item 3
  • item 1
  • item 2
  • item 3
> a really cool quote from a nice person
a really cool quote from a nice person

* Required information